Significado dos Nomes das Cidades de Sergipe

Cidades ordenadas por ordem alfabética:

1. AMPARO DE SÃO FRANCISCO – João da Cruz Freire recebeu herança com a qual comprou parte da fazenda Campinhos, de Propriá, onde construiu a primeira casa, chamando a elas o seu amparo.
2. AQUIDABÃ – Homenagem à vitória do Brasil, no dia 11 de junho de 1870, na celebérrima Batalha do Riachuelo, da Guerra do Paraguai.
3. ARACAJU – Cajueiro dos papagaios.
4. ARAUÁ – Rio existente no município com o mesmo nome.
5. AREIA BRANCA – Existência de uma grossa camada de areia branca no solo, indicando a provável existência de praia em tempos remotos.
6. BARRA DOS COQUEIROS – Em razão de ser uma ilha de Coqueiros
7. BOQUIM – Localizada na Buquinha da Mata.
8. BREJO GRANDE – José Alves Tojal, um homem local e influente que aterrou parte do canal do rio São Francisco, unindo a ilha à margem sul.
9. CAMPO DO BRITO – A tradição guardou o nome de uma família – Brito – que usou estes campos para a criação de seus animais.
10. CANHOBA – Língua Tupi, CAN = cânhamo OBA = senhor da terra. Senhor da terra de cânhamo.
11. CANINDÉ DE SÃO FRANCISCO – CANINDÉ – origem indígena, que significa arara e papagaio.
12. CAPELA – O capitão Luís de Andrade Pacheco e sua mulher, Perpétua de Matos França, determinou a doação, por escritura lavrada no tabelionato de Santo Amaro das Brotas, da quantia de cem mil réis, destinada à construção de uma capela sob o orago de N. S.ª da Purificação.
13. CARIRA – Denominaram Mãe Carira, por terem encontrado no local, onde hoje se ergue a Cidade, uma índia com esse nome.
14. CARMÓPOLIS – Influência dos Padres Carmelitas da Missão de Japaratuba.
15. CEDRO DE SÃO JOÃO – Fazenda denominada Cedro, devido à abundância, naquela época, da árvore do mesmo nome.
16. CRISTINÁPOLIS – Homenagem à Imperatriz do Brasil, Dona Tereza Cristina.
17. CUMBE – Originado do Cumbá (instrumento de colheita de algodão).
18. DIVINA PASTORA – Homenagem à padroeira da cidade, Nossa Senhora Divina Pastora.
19. ESTÂNCIA – Pedro Homem da Costa, após longos anos de peregrinações pelo interior sergipano, chegou à região onde se radicou fascinado pelas condições naturais do local.
20. FEIRA NOVA – Nasceu de uma feira de trocas de animais criada por comerciantes na década de 30. O objetivo era evitar que os habitantes saíssem para fazer suas compras em cidades vizinhas e fossem atacados pelo bando de Lampião.
21. FREI PAULO – Aquelas terras foram descobertas por volta de 1868 por missionários capuchinhos, entre eles freis Davi de Umbértide e Paulo Antônio Casanova.
22. GARARU – Expulsos os batavos, o cacique Gararu e sua tribo ocuparam a região fixando-se na desembocadura do riacho do mesmo nome.
23. GENERAL MAYNARD – Homenagem ao General Augusto Maynard Gomes, governador e senador por duas vezes por Sergipe.
24. GRACCHO CARDOSO – Homenagem a um ex-governador e político sergipano do passado.
25. ILHA DAS FLORES – Grande quantidade de flores nativas que cobriam as terras que formaram o município.
26. INDIAROBA – Rio existente no município com o mesmo nome.
27. ITABAIANA – Naquela serra tem uma aldeia, onde mora gente.
28. ITABAIANINHA – Pelo aspecto topográfico muito parecido com o da povoação de onde os referidos viajantes eram originários (Itabaiana) e ainda pela semelhança do solo consistente e de pedras miúdas.
29. ITABI – Origina-se de duas pedras sobrepostas naturalmente, de modo estranho e esquisito.
30. ITAPORANGA D’AJUDA – Pedra bonita e a padroeira da cidade Nossa Senhora da Ajuda.
31. JAPARATUBA – Sítio onde existe abundância de arcos ou rio de muitas voltas ou muito terreno arenoso à beira-mar ou terras de areias brancas.
32. JAPOATÃ – Advém de Frei Jaboatão que dirigindo um grupo de franciscanos fundou um convento e uma igreja no lugar Riacho do Meio.
33. LAGARTO – Era identificada por enorme pedra em forma de lagarto.
34. LARANJEIRAS – Por conta das inúmeras e frondosas laranjeiras à beira do rio.
35. MACAMBIRA – Planta de folhas rígidas e espinhosas que é encontrada na região nordeste.
36. MALHADA DOS BOIS – Ali naquela nascente, à sombra dos arvoredos os boiadeiros paravam com suas boiadas para deixar o gado malhar.
37. MALHADOR – Teve origem, em um curral (fazenda) de gado.
38. MARUIM – Mosca pequena ou mosquito.
39. MOITA BONITA – Teve influência de outro povoado vizinho, denominado Moita de Cima.
40. MONTE ALEGRE DE SERGIPE – Inspirado numa fazenda de Antônio Machado Cabelê, que se chamava Monte Alegre.
41. MURIBECA – Mosca inoportuna.
42. NEÓPOLIS – NEO = Nova; POLIS = Cidade (Nova cidade).
43. NOSSA SENHORA APARECIDA – Em homenagem a padroeira da cidade.
44. NOSSA SENHORA DA GLÓRIA – A localidade foi rebatizada quando o pároco Francisco Gonçalves Lima, fez uma campanha junto aos moradores para aquisição de uma imagem de Nossa Senhora da Glória.
45. NOSSA SENHORA DAS DORES – Homenagem à padroeira Nossa Senhora das Dores e já se chamou Enforcados.
46. NOSSA SENHORA DE LOURDES – Homenagem à padroeira da localidade.
47. NOSSA SENHORA DO SOCORRO – Homenagem à padroeira Nossa Senhora do Perpétuo Socorro do Tomar da Cotinguiba.
48. PACATUBA – Índios chefiados pelo cacique Pacatuba, ocupavam a região quando da criação do povoado.
49. PEDRA MOLE – Alguns moradores encontraram pedras com a marca da pata de um animal e de um pé de uma pessoa, e disseram que as pedras eram moles.
50. PEDRINHAS – Engenho Pedrinhas que deu origem ao povoado.
51. PINHÃO – Planta nativa (pinhão e Purga), do nordeste.
52. PIRAMBÚ – Peixe bastante comum na região.
53. POÇO REDONDO – A região é semicirculada pelo riacho Jacaré.
54. POÇO VERDE – Está relacionada a um poço, situado na Fazenda Poço do Rio Real. Após a seca, uma vegetação verde encobria o poço, mudou-se o nome para “Fazenda Poço Verde”.
55. PORTO DA FOLHA –
56. PROPRIÁ – Surgiu de uma pesca de Piau na lagoa de João Baía. Era tanto peixe que se pescava usando pau. Criou-se então a expressão ‘pesca do paupiau’. Outros dizem que o nome vem também da lagoa, mas a expressão seria ‘puropiau’.
57. RIACHÃO DO DANTAS – Riachão (por ser menor do que rio e maior do que riacho). Engenhos de açúcar, destacando-se o de nome Fortaleza, pertencente ao Coronel João Dantas Martins dos Reis.
58. RIACHUELO – A primeira é que o povoado estava localizado entre três rios. São os rios Sergipe, Cotinguiba e Jacarecica, formando assim um elo, portanto, Riachuelo. A outra versão e mais aceita é em homenagem a batalha decisiva da guerra do Paraguai vencida pelo Almirante Barroso chamado Batalha naval do Riachuelo.
59. RIBEIRÓPOLIS – Ribeiro instalava-se na região com a criação de gado.
60. ROSÁRIO DO CATETE – Um grupo de negros que trabalhava nos engenhos encontrou uma imagem de Nossa Senhora do Rosário numa das matas da região. Catete é uma espécie de milho comum na região. Catete vem de caititu (Tupi-Guarani) que quer dizer “porco do mato”, animal encontrado naquelas terras. Catete significa reduto de escravos (em Rosário eles eram milhares). E catete era nome de um dos engenhos do Barão de Maruim.
61. SALGADO – Dado ao sabor característico da água de uma fonte termal ali existente.
62. SANTA LUZIA DO ITANHY – Homenagem à padroeira Santa Luzia. Itanhy era nome que os indígenas davam ao rio Real.
63. SANTA ROSA DE LIMA – Homenagem à padroeira da cidade.
64. SANTANA DO SÃO FRANCISCO – Consistia de vastas terras, limitadas pelo Rio São Francisco.
65. SANTO AMARO DAS BROTAS – Homenagem ao português Amaro Aires da Rocha, que se instalou naquela colina. Martins de Azevedo levantou uma capela em nome de Nossa Senhora das Brotas, numa referência, segundo os mais velhos, às grandes e verdejantes ‘grotas’ existentes naquela região.
66. SÃO CRISTÓVÃO – Cristóvão de Barros fundou a primitiva povoação, sob a denominação de Cidade de São Cristóvão de Sergipe d’EI Rei.
67. SÃO DOMINGOS – Homenagem ao padroeiro da cidade.
68. SÃO FRANCISCO – Homenagem ao padroeiro da cidade São Francisco de Assis.
69. SÃO MIGUEL DO ALEIXO – Em homenagem a um de seus principais fundadores (Miguel José das Graças) e ao santo padroeiro.
70. SIMÃO DIAS – O português Brás Rebelo ordenou ao vaqueiro Simão Dias construísse currais nas florestas do Caicá, dando assim início ao povoado.
71. SIRIRI – Cacique Siriri, cuja taba era banhada pelo rio que tem o seu nome.
72. TELHA – Duas famílias de holandeses se estabeleceram no local com uma fábrica de telhas de barro cozido.
73. TOBIAS BARRETO – Homenagem a um ilustre habitante da região Tobias Barreto de Menezes.
74. TOMAR DO GERU – O povoado de Geru, que passava a chamar-se Nova Távora ou Tomar, com a característica singular de ter nos cargos de seu serviço público exatamente elementos indígenas.
75. UMBAÚBA – Próximo ao Riacho da Guia, havia um frondoso pé de Umbaúba, onde tropeiros faziam pousada.